quinta-feira, junho 21

Apenas mais um dia na vida dos Sportings....

Para que ninguém perca o fio à meada, deixamos aqui uma espécie de resumo das últimas horas do zbording Lisboa:

 
(quem está para receber dali é favor tirar uma senha e aguardar que o chamem...)


(Mas o que é isto?!? Todos sabemos que o King Bruno deixou, já por várias vezes, o Facebook. Alguém acredita que ele ia trair a própria palavra e voltar a este registo? Ele é um homem de palavra, porra!)


("vais ser o primeiro", hehehe. Que elegância, que classe, que elevação!)


(Acho muito bem feito para que os tribunais não se achem mais espertos do que o King Bruno)


(Outra vez a usarem o nome dele nesta rede social? Bem, de qualquer das formas acho bem que os sócios do clube dos depósitos não percam esta chamada do King Bruno)


(Excelente medida. Quem não quer apoiar o King Bruno que fique em casa!)

É importante, e até instrutivo, não se perder nada de nada desta série Os Sportings.
Ninguém pode perder isto.
Ninguém vai querer perder isto.

quarta-feira, junho 20

Os portugueses não merecem ser informados?

Há três meses e meio saiu esta notícia:


De lá para cá não ouvi nem li mais nada sobre este assunto.
Ainda está a ser investigado?
Foi arquivado?
Já prescreveu?
Ou é para fingir que nada aconteceu e esperar que o tempo faça com que as pessoas se esqueçam?!?

Julgo que os portugueses merecem estar informados sobre isto para saberem com o que podem contar, o que podem ou não fazer, etc.

Como aprendemos na época finda de 2017/2018, por exemplo, os adeptos dum jogo de futebol em Portugal podem invadir o relvado para agredir jogadores adversários que a única punição (chamemos-lhe assim) é uma multazinha simbólica (nem chega a 3000 euros!).

Agora neste caso do Estorilgate muita coisa pode mudar no futebol português. Mas os portugueses precisam de saber em concreto o que é que muda.
Ou seja, se aquela suspeição não der em nada os portugueses ficam a saber o seguinte:
- podem invadir o relvado ao intervalo se a sua equipa estiver a perder;
- o jogo será concluído não nas horas seguintes como está estipulado nos regulamentos, mas sim quando der jeito ao clube que perdia ao intervalo;
- nesse intervalo (que pode ser superior a um mês!) poderá haver uma transferência de mais de 700 mil euros da equipa que perdia para a equipa que ganhava;
- na conclusão desse jogo o árbitro (e o VAR) pode permitir um golo irregular para apressar a reviravolta
- os jogadores da equipa que ganhava nessa segunda parte podem fazer um jogo tão mau e tão miserável que até o próprio treinador achará esse comportamento como estranho e inadmissível.

Mas os portugueses não merecem ser informados sobre tudo isto?

quinta-feira, junho 14

No fundo, o portismo é isto mesmo.

Enquanto andavam a ser intervencionados pela UEFA e não podiam ou não tinham um cêntimo para gastar, a conversa era esta:


Tão lindo... tão digno... tão falso.

Assim que a UEFA levanta as restrições


O discurso muda logo e preparam-se para ir buscar o que querem e o que não querem:



Alguém pode achar que isto não é mais do que merecido para os lagartóides imbecis e para a união de facto que protagonizaram com os amigos corruptos azuis? Alguém ficará surpreendido com isto? Alguém conhece algum lagarto que ficará chateado com isto? Ou alguém acha que não há lagartos que até agradecem que isto avance só para não ver ex jogadores marcharem para o Clube que lhes tira o sono?!?

Mas atenção que isto de ter cumprido com o Fair Play da UEFA pode não ser bem assim. Pelo menos é o que eu percebo do último parágrafo daqui:


Ou seja, vão continuar a ser monitorizados nas próximas duas temporadas. É melhor não gastarem o dinheiro todo nas futuras imitações do Estorilgate.


PS.

Benfica bem a desmascarar corruptos complexados e pouco beneficiados com inteligência:

Ó "vigarista", mete a viola no saco, e ssscccchhhhhiiiiuuu.

quarta-feira, junho 13

Holdimo e Sobrinho bons, Holdimo e Sobrinho maus.

Como as coisas mudam...
No início do mandato de Bruno de Carvalho, as palavras deste para com a Holdimo eram: "mais inteligentes que muitas pessoas". E de Bruno Carvalho para Álvaro Sobrinho eram: "sportinguista fanático".


E a paixão era recíproca:


Nem interessava de onde vinha o dinheiro nem como o mesmo tinha sido obtido:



Agora com o circo a arder a conversa é outra:


"Agora. Álvaro Sobrinho aparece quase como um herói nacional, porque o que ele diz, tem relevância para a sociedade e para o Sporting. Dos 20 milhões que eles colocaram na altura do Engeheiro Godinho Lopes. A Holdimo não é uma marca ideal para dar nome e prestígio ao Sporting e vocês próprios o disseram, atacando-nos. Quando fomos buscar Jorge Jesus, foi porque tínhamos o dinheiro sujo de Álvaro Sobrinho."


Como as coisas mudam...

sexta-feira, junho 8

Alguém conhece algum interessado? É para um amigo...

Surpresa das surpresas! Ninguém quer ir trabalhar para o circo do Carvalho com Bruno e seus carneiros amestrados:




Há quem fale em quatro treinadores a recusarem:


Sinceramente não compreendo os motivos para tanta recusa... até parece que o rei Bruno não é uma pessoa inteligente e fácil de lidar... até parece que os adeptos não são os "melhores do mundo" e que respeitam treinadores e jogadores... até parece que o circo está a arder...

Entretanto o desespero começa a tomar conta do clube cujo vice foi apanhado a depositar dinheiro na conta bancária dum árbitro:


Depois disto tudo e depois de tanta nega, quase que aposto que na altura de apresentação do novo treinador (quer seja um Inácio, quer seja o rei Bruno a concretizar o seu sonho antigo de ser presidente/adepto/bloguer/treinador) as palavras do rei Bruno é que aquele que está a ser apresentado foi a primeira escolha. E a carneirada amestrada lá baixará a cabeça em sinal de concordância...

quarta-feira, junho 6

Como chegar a melhor árbitro do ano.

Segundo algumas notícias, já foi nomeado o melhor árbitro do ano (ano desportivo, julgo eu...):



Surpresa!
Soares Dias é o melhor árbitro do ano!
Quem defende a verdade desportiva neste país só pode estar radiante e otimista com esta nomeação.

Mas aqui neste blogue queremos ir mais longe, e queremos dar uma ajuda aos jovens que começam a dar os primeiros passos na arbitragem portuguesa para que um dia atinjam este sonho que é ser o melhor árbitro do ano.
Em primeiro lugar é preciso irem cimentando uma certa posição que não se limita a prejudicar certo clube enquanto beneficiam outros clubes. Há procedimentos a ter para se chegar ao patamar de um Soares Dias.
Quais? Alguns exemplos:

- Não esconder o clubismo e o passado ligado a esse mesmo clubismo:


- Mesmo que seja ameaçado (assim como a família) não se abdicar de arbitrar o clube dos ameaçadores e fazer uma arbitragem de quem percebeu a mensagem inerente ás ameaças:


- Dar a camisola em pleno estádio do clube que se ama, por mais que alguns achem estranho esse comportamento:


- Numa situação em que treinadores e/ou dirigentes do clube que ama invadirem o seu balneário, é fingir que nada se passa e não dizer nada no relatório do jogo:


Seguindo estes passos os jovens árbitros já estão praticamente com uma mão no troféu de melhor árbitro do ano (a outra mão pode conter uma frutinha de dormir, ou um envelope com dinheiro, etc...).

Depois há os procedimentos dentro de campo, o que é fácil.
Mesmo os que parecem difíceis, como este ignorar a aplicação do aspecto disciplinar a quem o chamou de maluco dos cornos mesmo na sua cara:


Mas que elegância! Que personalidade! Que força mental! Dá a ideia que o Soares Dias nem sequer piscou os olhos para não perder nada do que lhe estavam a fazer e a chamar.

E ainda relativamente aos procedimentos a tomar dentro de campo, há mais que muitos exemplos deste árbitro recentemente escolhido como árbitro do ano. Vou só deixar uma imagem do jogo decisivo para o título de campeão desta época que agora terminou, imagem essa que penso ilustra bem como é fácil chegar ao topo da arbitragem nacional:


Fantástico. O jogador que faz uma "gravata" a Grimaldo já tinha um cartão amarelo, o árbitro está pertíssimo do lance, expulsão mais que evidente, certo? Errado, se algum dia se tiver a ambição de ser o melhor árbitro do ano.

Uma carreira feita à base de prejuízos ao SLB e benefícios a dragartos. É este currículo que vale nomeações para árbitro do ano.

Agora que no BENFICA se continue a ter uma postura de silêncio sobre isto, para que no próximo ano se continue a ter este inenarrável árbitro a apitar clássicos e derbis...

sexta-feira, junho 1

Para quem ainda não se fartou do circo.

E atentem que apesar de constar do título desta publicação, não sou eu que "colo" a palavra "circo" a isto tudo:


Vou tentar colocar alguma ordem nisto tudo...


(que clube, meu Deus!!!)


(por email só pode ter sido mesmo para gozar...)


(o exemplo de isenção chamado Correia já ouviu falar em açaimes?!?)


(então, mas sabia das ameaças aos jogadores e não avisou as autoridades?)


(não fizeram o gesto do coração com as mãos?!? bandidos, merecem tudo!!!)


(hahahaha, classe, classe e mais classe!)



(um sonho de clube!!)

Agora não percam os próximos episódios disto, porque nós também não!

terça-feira, maio 29

Terá sido um sonho? Uma alucinação?? Alguma coisa que comi e me fez mal???

Começo a acreditar que foi uma dessas hipóteses.
Mas depois olho para isto e fico na dúvida:


Este assunto pura e simplesmente desapareceu da opinião pública. os jornais pura e simplesmente assobiam para o lado, depois de andarem meses e meses a ser cúmplices do crime de roubo de correspondência, depois de andarem meses e meses com supostas "fontes", depois de andarem meses e meses a encher capas de jornais com uma mão cheia de nada.
E agora? Mais uma vez a cumplicidade através do silêncio.

Este caso, juntamente com o Estorilgate, põe claramente em causa a verdade desportiva deste campeonato. Isto não interessa a ninguém?
E o assunto "claques legais", também é para desaparecer, pois enquanto uns legalizados ameaçam árbitros e seus familiares, ou outros legalizados agridem jogadores e treinadores. Então agora não interessa discutir este assunto?!?

E os presidentes da liga e federação? Vão continuar a fingir que nada se passa?? Só porque temos uma merda inenarrável de comunicação social que não lhes pergunta o que devia perguntar, que não os confronta como devia, acham mesmo que não é preciso intervirem neste nojo??!!??

Finalmente uma palavra para a direção do SLB: continuamos com esta postura de mandar um tweet de vez em quando, continuamos a dar entrevistas a jornais e programas de tv, continuamos a não perceber o que isto é? É que se a resposta a estas perguntas for "sim" acho que nem vale a pena maçarem-se a reforçar os planteis...

domingo, maio 27

Cara-podre, doença ou senilidade?

Talvez um pouco de tudo.
Mas por isso este tipo de pessoas deve ter um acompanhamento especial para não fazer este tipo de figuras:


Por estar clara e flagrantemente desgastado é preciso lembrar-lhe de coisas que aconteceram há poucos meses, semanas, dias?!?
Ok:






Chega como amostra do respeito que têm pelos adversários?

quarta-feira, maio 23

Agressões de Alcochete - os testemunhos

Como afinal este assunto ainda está na ordem do dia, trazemos aqui os testemunhos de quem viveu aquela tarde de horror verdadeiro sportinguismo.




Outros testemunhos retirados daqui:

"Bas Dost (jogador)

O holandês refere que primeiro passaram dois grupos de homens por ele (um composto por dois, outro por seis indivíduos) sem que nada acontecesse. Posteriormente, um homem encapuzado deu-lhe com um cinto na cabeça que "o fez cair no chão", onde continuou a ser agredido pelo mesmo agressor e por outro que lhe fez companhia. Bas Dost confessou ter "ficado em estado de choque".

Acuña (jogador)

O argentino refere que o grupo tentou fechar a porta do balneário aos invasores, mas que tal não foi possível dado o número destes últimos, "cerca de 50 elementos que trajavam roupas escuras e alusivas ao Sporting Clube de Portugal, todos de cara tapada, que rapidamente forçaram a entrada no balneário". Acuña confessou que "sobre ele caíram cerca de 5/6 meliantes que o agrediram fisicamente com murros na zona da cabeça e corpo". O sul-americano disse também que os "meliantes o ameaçaram", dizendo que sabiam onde morava e que devia ter cuidado.

William (jogador)

O médio, tal como todos os outros futebolistas, encontrava-se no balneário a trocar de equipamento para o treino no relvado quando os invasores irromperam nas instalações. "Foram lançadas várias tochas de fumo, ouviu gritos." William garante ter sido "agredido por três indivíduos com socos na zona do peito". No final do testemunho, William afirma que "teve conhecimento pelo seu colega de nome Rui Patrício que já existiram situações passadas de ameaças de adeptos aos jogadores da equipa".

Misic (jogador)

O médio foi agredido com um cinto na cabeça por um indivíduo corpulento de 1,80 metros.

Bruno César (jogador)

O brasileiro subiu a uma maqueira e, ao espreitar pela janela do balneário, viu um grupo de indivíduos de cara tapada e com cores do Sporting. Não foi agredido, mas viu William e Battaglia a serem agredidos com socos e bofetadas; quando tentou socorrer os colegas, foi ameaçado de morte. Segundo Bruno César, "o grupo atuou sempre em bloco, com alguma organização, presumindo que tais atos foram premeditados, barrando claramente a tentativa de fuga dos atletas para o exterior".

Freddy Montero (jogador)

O colombiano diz que "os indivúdos forçaram a entrada no balneário ao mesmo tempo, dispersaram-se do mesmo, arremessaram vários artigos pirotécnicos, entre os quais bombas de fumo e tochas". Montero recorda-se de ouvir "onde está o Acuña e o Battaglia?", entre insultos. Depois, Montero foi agredido com duas estaladas e garantiu que teria sido "mais agredido" se Palhinha não se tivesse agarrado a ele, para o proteger.

Fábio Coentrão (jogador)

O defesa garantiu que não foi agredido mas viu os seus colegas serem alvo de agressões. Temeu pela vida perante o grupo de agressores, que atuou sempre "em bloco, com uma certa orientação e organização, presumindo que tais atos foram premeditados". Fábio diz ainda temer "pela continuação de tais atos ou até de maior grau de violência".

Palhinha (jogador)

O jovem médio descreve os acontecimentos de forma semelhante aos seus colegas: espreitou pela janela e "viu um grupo de cerca de 20 a 30 indivíduos invasores entrarem a atirar tochas a arder, a revoltar o balneário, a ameaçar e a agredir alguns colegas, nomeadamente Battaglia, William, Acuña e Montero".

Ristovski (jogador)

O defesa viu Acuña e outros colegas a serem agredidos violentamente e sentiu-se aterrorizado e impotente para reagir perante o que se estava a passar. Ristovski disse ainda "sentir receio que esta situação se volte a repetir, quer no seu local de trabalho quer na sua vida particular, sentindo-se assim condicionado na sua vida por este medo".

Piccini (jogador)

O defesa estava em tratamento no departamento médico quando ouviu "bastante barulho" junto ao balneário. Viu as agressões a Battaglia e a William Carvalho, sentiu medo e pânico, mas não foi agredido

Salin (jogador)

O guarda-redes diz que o grupo de invasores entrou agressivamente no balneário (vestiam de preto, cara tapada) lançando tochas de fumo, gritando e ameaçando William e Rui Patrício: "Tira essa camisola, vamos foder-te! Há tempo que queres ir embora, tira essa camisola, não te queremos mais aqui". Salin não foi agredido e tentou evitar "agressões a William e a Rui Patrício". Salin temeu "pela sua própria vida".

Doumbia (jogador)

O avançado da Costa do Marfim garante que os invasores procuravam William Carvalho e Rodrigo Battaglia, que o ameaçaram e que lançaram vários engenhos pirotécnicos, "provocando um intenso cheiro a queimado e uma insuportável nuvem de fumo no edifício, deflagrando o alarme de incêndio no balneário, provocando o pânico entre os presentes". Sentiu-se aterrorizado e impotente.

Gelson (jogador)

O extremo português estava a conversar com Acuña quando ouviu gritos vindos do exterior. Pouco depois, os invasores entraram e agrediram Acuña "com as palmas das mãos abertas". "Foi perceptível verificar um indivíduo com um cinto na mão direita, sendo que a parte da fivela se encontrava em efeito de pêndulo, para aquando de um movimento brusco a mesma efetuar um efeito de chicote". Gelson temeu pela vida e diz que os agressores estavam "direcionados para os atletas Acuña, Rui Patrício, William e Battaglia".

Bruno Fernandes (jogador)

O médio ofensivo estava ao lado de William e foi empurrado pelos invasores, tendo sido "cercado por vários indivíduos" e depois "agredido com chapadas". "Seguidamente, viu Battaglia, Acuña e Rui Patrício a serem também cercados e agredidos por vários indivíduos."

Petrovic (jogador)

O sérvio foi agredido com um "murro nas costelas".

Podence (jogador)

O português descreve que o segurança da Academia tentou suster o avanço dos invasores com outros elementos do Sporting. Depois, uma vez lá dentro, os agressores começaram a agredir quem apareceu pela frente, sendo que William se levantou para tentar acalmar os ânimos. "Nesse mesmo instante, William foi rodeado por três ou quatro indivíduos. Viu ainda Misic ser agredido com um cinto na face." Podence garante que Acuña e Battaglia estavam sinalizados pelo grupo que invadiu Alcochete - foram socados e pontapeados.

Lumor (jogador)

O futebolista ouviu gritos vindos do exterior e "apercebeu-se que começaram a entrar vários indivíduos com o rosto coberto por máscaras e camisolas impedindo assim que fossem reconhecidos" . Lumor não foi agredido, viu "alguns dos seus companheiros a serem agredidos pelos indivíduos que se encontravam no interior do balneário, tendo inclusivé implorado para que os mesmos parassem, mas sem sucesso"."

Sem dúvidas nenhumas que foi uma tarde à zbording...

Esperemos que isto se resolva rapidamente para que se investigue o que está por investigar, nomeadamente a corrupção no andebol, o Estorilgate, o Cashball, o Soares Dias, etc.