segunda-feira, outubro 16

Rui Patrício e o "jornal dos lampiões"

Penso que é claro para todos que quando falo em "jornal dos lampiões" ou "bíblia dos lampiões" me estou a referir a todos aqueles que pateticamente consideram o jornal aBola como sendo de e para Benfiquistas. É malta que não foi brindada com inteligência...
Vem isto a propósito duma chamada de capa nesse mesmo jornal na sua edição de hoje:


Ok, se já enxugaram as lágrimas de tanto rir podemos continuar.

Eu não sei se fazem este tipo de chamadas na capa por serem altamente idiotas, ou se o fazem por pensarem que quem lê isto é idiota.
Comparar o Rui Patrício com o Buffon não é só anedótico. É deprimente.
Vejamos os títulos de cada um:

- Buffon (retirado da sua página no Wikipédia):


- Patrício (também do Wikipédia):


Só coloquei aqui os títulos coletivos. Acho que é suficiente para se comparar os dois "gigantes da baliza".
Resumindo: O Buffon tem 4 taças de Itália. O Patrício tem 3 taças de Portugal.
                    O Buffon tem 6 supertaças de Itália, o Patrício tem 3 supertaças de Portugal.
                    O Buffon foi campeão nacional 8 (oito!) vezes, o Patrício foi campeão nacional... esperem só mais um pouco que estou a fazer contas... já sei, 0 (ZERO!) vezes, nunca foi campeão nacional. Mas para os iluminados da "bíblia dos lampiões" os dois são comparáveis, os dois são gigantes!
Se calhar fui eu que não estive atento, mas quando foi o zbording-Barcelona compararam o Messi com o Gelson Martins, certo?

sexta-feira, outubro 13

Pode não haver dinheiro nem títulos, mas o ordenado do vôvô é sagrado!

E ainda há quem fique chocado com o ordenado do Bruno de Carvalho... ainda há quem ache que os 10500 euros mensais (mais 35751 de remuneração variável, o que quer que isto seja...) é um exagero para quem em quatro anos viu o SLB conquistar o Tetra Campeonato... ainda há quem ache um abuso a mulher do Bruno triplicar o ordenado e levar as amigas para o clube que não ganha um campeonato desde o tempo em que se usava o escudo como moeda em vez do euro...
Apesar disto tudo e apesar do Bruno ser uma espécie de aprendiz de Pinto da Costa, ainda está um bocado longe na forma como chula o clube e adeptos. Mas está no bom caminho, disso não haja dúvidas.
O futebol corrupto o Porto leva vários anos sem ganhar NADA. Na época anterior apresentaram um prejuízo de 58,4 milhões de euros. Esta época foi assim:


Mas se alguém pensava que o presidente do clube que em dois anos apresenta estas contas iria dispensar a sua remuneração, eis a resposta:


Podem ser anos e anos de prejuízos, mas para o vôvô mamar 37 mil euros mensais tem que haver dinheiro. Com este assombroso ordenado até a netinha está disposta a voltar a levar com as bufas do vôvô:


Concluindo: apesar de ainda haver um desfasamento entre os ordenados dos presidentes dragartos, numa coisa eles estão aliados - não há títulos nem dinheiro, mas os seus ordenados (e não só) não são para perdoar! A Joana é que não vai achar piada nenhuma a esta notícia. A Fernanda que se cuide!
Claramente dois presidentes que amam os seus clubes...

sexta-feira, outubro 6

Violar regulamentos? Isso para o clube da fruta não é nada...

Quem paga viagens a árbitros, quem lhes fornece frutinha de dormir, quem recebe árbitros em casa do presidente, quem manipula castigos, etc, violar uns regulamentos é uma banalidade. E não é só uma banalidade para o futebol corrupto do Porto. Para os jornaleiros marionetas deste país também não se passa nada!
Vem isto a propósito do jogo da taça de Portugal entre os azuis e broncos e o Lusitano de Évora.


Na impossibilidade do jogo se disputar em casa do Lusitano, a escolha recaiu... no estádio do restelo, em Belém. É perto...
A questão é que isto vai contra o regulamento da Taça de Portugal:


Faz de conta que o estádio do restelo pertence à Associação Distrital de Évora...
Só de me lembrar do que foi (ou ainda é) dito e escrito por causa de um Estoril-Benfica disputado no Algarve no ano do título do Trapattoni...

quarta-feira, outubro 4

A credibilidade do insolvente

Quando os complexos conseguem abafar o discernimento fazem-se figuras tristes e deprimentes.

06/06/2017:


03/10/2017:


E continuamos todos à espera do tal "melhor que ainda está por vir".
No caso do futebol corrupto do porto já nem é preciso esperar nada. Basta ir ao Youtube e procurar por "escutas a Pinto da Costa". Não deixa dúvidas a ninguém.

O porquê do insolvente, mesmo estando em primeiro lugar no campeonato com 5 pontos de vantagem sobre o tetra campeão , e mesmo assim continuar a falar sobre o SLB, provando claramente (como se fosse preciso...) que o SLB lhe tira o sono, isso é um problema dos sócios e adeptos do fóculporto.

Se eu estivesse no lugar dele falaria do seu clubeco regional e preocupava-me com o processo de insolvência:


Mas como eu não sofro de provincianismo complexado, só os doentes como Chico podem compreender esta obsessão.

segunda-feira, outubro 2

Em memória de José Pratas


Gostaria de deixar aqui o meu tributo a um árbitro que marcou o futebol português.
"Marcou como?", perguntarão os mais distraídos.
Marcou com uma fuga pelo relvado fora, fuga essa que define o clube dos jogadores que o perseguiram, porque o fóculporto sempre foi e sempre será isto mesmo:


Que elegância, José.
Agora nos primeiros segundos deste vídeo:



Se não soubéssemos da coragem que sempre foi reconhecida a José Pratas, estas imagens até poderiam dar pena...



Pois claro, quem não ficava com pesadelos, caro José...
E para quem não se lembra, é importante referir que não foi ninguém expulso, e que o clube dos que correram atrás do árbitro acabou por ganhar aquela supertaça.
Quanto ao perseguido, parece que demorou 18 (DEZOITO!!!) anos a comentar o sucedido:

"Curiosamente, nesta mesma semana, foi finalmente esclarecida uma outra situação, bem mais antiga e que demorou 18-anos-18 a ser explicada pelo seu protagonista, um outro árbitro, José Pratas, a quem coube dirigir em 1992 uma final da Supertaça entre o Benfica e o FC Porto, em Coimbra. O público nas bancadas e os espectadores que seguiram o jogo pela televisão ficaram com a ideia de que José Pratas foi perseguido ao longo do campo pela equipa do FC Porto depois de ter validado um golo ao Benfica, apontado por Isaías. Foi-nos explicado, há 18 anos, que a cena não passara de uma ilusão de óptica. Pratas nunca na vida andara a fugir da equipa do FC Porto e, por essa razão, não havia que advertir disciplinarmente nem expulsar ninguém. José Pratas demorou, demorou mas veio, por fim, esclarecer-nos a todos. “Não foi uma fuga, foi uma reacção natural de quem se sente atacado e ameaçado. Devia ter acabado com o jogo por insubordinação da equipa do FC Porto”, disse a “A Bola” nesta quinta-feira. É capaz de ter razão. E o Benfica, se calhar, devia ter mais uma Supertaça no seu palmarés. "

Por isso as vitórias forjadas do futebol corrupto do porto valem o que valem...
Como aqui há uns anos referi neste mesmo espaço, vai demorar muito para mudarem o nome da supertaça para Troféu José Pratas?